Psicologia Clínica

Consultas em Português e Inglês

 

O acompanhamento em psicoterapia é um processo de tratamento que, através de técnicas especializadas, fornece ajuda efectiva e de longa duração a quem enfrenta um variado número de dificuldades, tais como depressão, perda/luto, crise conjugal, questões pais/filhos, ou sofrimento emocional, podendo também ajudar a atingir as aspirações de crescimento pessoal ou de auto-aperfeiçoamento em determinadas competências.

A terapia tem um propósito claro e definido, isto é, que algo de positivo, construtivo e útil ocorra para si, nomeadamente, em casos de:

  • Ansiedade
  • Depressão
  • Preocupação excessiva
  • Stress
  • Baixa auto-estima/insegurança
  • Isolamento, distanciamento, sentimentos de inferioridade, desajustamento e solidão
  • Aprender a enfrentar/lidar com uma situação de doença
  • Problemas relacionais
  • Questões de casamento/divórcio
  • Sobreviver a uma perda/Luto
  • Dependência de álcool e drogas
  • Dificuldades escolares, de carreira e profissionais

 

Algumas das razões mais comuns para procurar ajuda na terapia incluem:

 

Tristeza Profunda

Todos nós já  passamos pela experiência de sentir tristeza, em diversos momentos e por diversos motivos. Porém, por vezes, o sofrimento é particularmente severo ou longo e interfere com a nossa capacidade de funcionamento diário. Se estiver a sentir tristeza, sofrimento profundo, mal-estar ou ansiedade de forma persistente, a terapia pode ajudar a aliviar os sintomas: ao encontrar as causas subjacentes ao seu sofrimento e ao ajudar na restauração do seu bem-estar emocional.

 

Comportamento Insatisfatório ou Autodestrutivo

Uma das razões igualmente importante para iniciar terapia refere-se aos padrões de comportamento insatisfatórios ou mesmo autodestrutivos. Quando sabe que o comportamento será passível de magoar ou prejudicar, mas mesmo assim se sente incapaz de o mudar, um terapeuta pode trabalhar consigo de forma a fazê-lo compreender e eventualmente ganhar controlo sobre esse comportamento. Esta tomada de consciência é parte do trabalho da terapia, e muitas vezes esta tomada de consciência pode, por si só dissipar a necessidade do comportamento e permitir-lhe ganhar controlo sobre este aspecto da sua vida.

 

Baixa Auto-Estima/Insegurança

Outro motivo para considerar ter aconselhamento ou terapia são os sentimentos de insegurança, baixo valor pessoal, ou dificuldade na tomada de decisões, em que o ambiente relacional de suporte que a terapia oferece pode ajudar a que se sinta melhor consigo, a tomar contacto com os seus sentimentos, bem como na sua clarificação. A terapia permite um tipo de objectividade e insight que produz uma compreensão real e que vai permitir a mudança.

 

Crescimento Pessoal

Embora possa não ter um problema, ou sintomas, de natureza clínica, a psicologia pode ajudar a conhecer mais sobre si, bem como sobre os outros e a como viver a sua vida com uma satisfação pessoal mais profunda. Em alguns casos, pode não estar consciente de sentimentos dolorosos, mas pode sentir-se insatisfeito, ter dificuldade na tomada de decisões sem ter a certeza de qual é o problema. Nesse caso, o primeiro objectivo é identificar o que é que está a impedi-lo(a) de se sentir melhor, de crescer e de fazer mudanças.

 

Avaliação Psicológica

A Avaliação Psicológica permite a compreensão aprofundada das diferentes dimensões do psiquismo, recorrendo ao uso da Psicometria para a recolha objectiva dos dados, mas não se restringindo a ela. A Avaliação Psicológica é um processo complexo que passa por vários momentos fundamentais: a entrevista inicial, em que o psicólogo fala com a pessoa (ou os pais, caso o sujeito da avaliação seja um menor), recolhendo informações sobre o motivo da avaliação psicológica, as expectativas face à avaliação, a história de vida, a história profissional (ou escolar), a história familiar, a história da vida amorosa e afectiva, a história clínica (médico-psicologica), etc.  Com base na informação recolhida na primeira entrevista, o psicólogo responsável pelo processo de avaliação, constrói ou selecciona uma bateria de testes, provas, questionários, etc., a realizar pelo cliente. De seguida, com base nos dados amnésicos e nos resultados das provas psicológicas realizadas, o psicólogo responsável pelo processo, procede à análise e interpretação dos mesmos. O último momento da avaliação psicológica é a entrevista de devolução. Nesta entrevista, o psicólogo conversa com a pessoa ou os pais sobre as conclusões a que chegou após o processo de análise e interpretação dos dados recolhidos, explicando as opções tomadas, as recomendações efectuadas, e esclarecendo todas as dúvidas que possam surgir.